Autores de livros para o público 'teen' dão dicas para se fazer um bom texto - 28 de agosto de 2014

Confira as dicas de Paula Pimenta, Babi Dewet e Leonardo Alkmim.


Muito tímida na infância, a mineira Paula Pimenta sempre gostou de escrever para se expressar e organizar as ideias. Tentou cursar jornalismo, mas no meio do caminho entendeu que gostava mesmo de ficção, crônicas e contos e não textos informativos. Hoje, aos 39 anos, a autora da série "Fazendo meu filme" escreveu dez livros, vendeu mais de 500 mil cópias e se consagrou como uma das principais autoras do público teen. Mas até Paula, expert das histórias, tinha suas dificuldades para escrever quando era adolescente.


O G1 foi até a 23ª Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, para ouvir autores sobre suas principais dificuldades para escrever durante a vida escolar e quais são as suas dicas para a produção de um bom texto.Fazer uma boa redação é essencial para o bom desempenho na escola e também nos vestibulares e no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Liste os conteúdos


Para tirar a ideia da cabeça e colocá-la no papel com nexo e criatividade, vale elencar os tópicos principais antes de partir para o texto final. "Fazer uma lista do conteúdo principal do que você quer escrever sempre funciona", afirma Babi.


"Você precisa fazer o seu texto ser entendido pelas outras pessoas. Às vezes a gente tem muitas ideias e elas parecem sensacionais, mas estão na cabeça como se fosse uma piada interna. E na verdade quando escrevemos queremos compartilhar", diz Babi.


Organize as ideias


Para Paula Pimenta, a boa e velha técnica do rascunho é eficaz. "Um rascunho ajuda a organizar as ideias. Muitas vezes eu estou escrevendo um texto e vejo que um parágrafo que está lá embaixo cabe muito melhor em cima."


A escritora diz que o estudante deve fazer quantas tentativas forem necessárias neste rascunho até que o texto esteja "limpinho e perfeito".
Treine nas redes sociais Alkmim sugere que o texto deve ser pensado em três fases: abertura, desenvolvimento e fechamento. "Em qualquer texto esta é a melhor maneira de você ser entendido."


Outra dica é treinar a escrita e elaboração das ideias, até mesmo durante o uso das redes sociais. "Uma dica é tentar expressar pensamentos um pouco mais elaborados mesmo em um comentário de facebook. Tentar usar essa ferramenta da escrita para se desenvolver, essa prática, mesmo que intuitivamente, até no vestibular ou na vida profissional."


Paixão pela escrita


Os autores revelam que quando eram adolescentes também tinham dificuldades para escrever uma boa redação. E com muito estudo e prática foram desenvolvendo maneiras de fazer o texto fluir.


"Uma das minhas maiores dificuldades era o tema que a professora dava e às vezes eu não sabia nada sobre o assunto. A forma que eu arrumava de conseguir escrever era pesquisar", diz Paula Pimenta. Sua série de quatro livros "Fazendo meu filme" (Editora Gutenberg) já foi publicada em versões em inglês, espanhol e português de Portugal.


Babi Dewet, de 27 anos, autora da trilogia "Sábado à noite" (Editora Évora), também diz que mesmo escrevendo bem nem sempre agradou os professores do ensino médio. "Eu sempre gostei muito de escrever diálogos e gostava de conversas entre personagens e nem sempre era o que professor estava pedindo", diz.


Leonardo Alkmim, de 45 anos, é formado em artes cênicas, já foi ator e baterista de uma banda de rock n´roll, mas vive de escrever desde 2000.
Sua última obra é o livro de aventura chamado "Paralelos" (Geração Editorial). "Gosto de tudo que envolve a escrita e descobri que era mais feliz escrevendo. Nunca tive muita dificuldade para escrever porque lia muito, desde que aprendi a ler comecei a devorar livros. Meu primeiro romance escrevi aos 9 anos."

Fonte: G1


 

Endereço

Caes Centro
Rua São Sebastião, 516 – Santa Cruz Shopping, 2º piso–Centro
36013-260 Juiz de Fora-MG | Telefone: (32) 3215-7005

.....................................................................

Caes Zona Norte
Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 4795 - Nova Era
Cep- 36085-000 Juiz de Fora | Telefone: (32) 3223-3142